sexta-feira, outubro 15, 2010

a historia de Calebe!

Uma Herança Conquistada pela Fé -


Texto Áureo: “Retenhamos firme a confissão da nossa esperança, porque fiel é o que prometeu.”(Hb 10.23).

I - Considerações iniciais

Saúdo a todos com a paz do Senhor.
Como complemento e para reafirmar o estudo feito na lição 10, Uma Herança Conquistada pela Fé, estarei aqui discorrendo sobre os grandes ensinamentos que a história de Calebe nos transmite.
Calebe foi um dos doze que foram mandados por Moisés a espiar as terras de Canaã. Em tal episódio, narrado no livro de Números, Calebe e Josué, que também havia sido enviado, dão uma grande demonstração de fé e confiança no poder e nas promessas de Deus. Agora, novamente, aparecia Calebe, lembrando a Josué da promessa que havia recebido há 45 anos.
Vamos, então, extrair dos fatos narrados na Bíblia o que podemos aprender com a trajetória de vida de Calebe, este grande servo de Deus.

II - A promessa de Deus à Calebe

a. Moisés envia doze homens para espiar as terras de Canaã.
Deus dá a seguinte ordem a Moisés “Envia homens que espiem a terra de Canaã, que eu hei de dar aos filhos de Israel; de cada tribo de seus pais enviareis um homem, sendo cada qual maioral entre eles.” (Nm 13.2). Moisés, como servo fiel e obediente, faz mais uma vez exatamente o que Deus mandara. Reuniu os doze homens e os enviou. Antes, porém, instrui-os quanto a que deveriam atentar e espiar: “e vede que terra é, e o povo que nela habita; se é forte ou fraco; se pouco ou muito; e qual é a terra em que habita, se boa ou má; e quais as cidades em que habita, se em arraiais, se em fortalezas.

Também qual é a terra, se grossa ou magra; se nela há árvores ou não; e esforçai-vos e tomai do fruto da terra. E eram aqueles dias os dias das primícias das uvas” (Nm 13.18-20).
Então foram os doze e observaram tudo o que lhes havia sido ordenado observar. A fim de mostrar o fruto daquela terra, colheram romãs, figos e um grande cacho de uvas - “o qual trouxeram dois homens sobre uma verga” (Nm 13.23).

b. O relatório dos doze á Moisés.
Assim que voltaram da terra de Canaã, todos foram reunidos para ouvir o que tinham os homens a falar sobre a terra que haviam espiado. Eles mostraram a todos o fruto daquela terra e falaram “Fomos á terra a que nos enviaste; e, verdadeiramente, mana leite e mel, e este é o fruto. O povo, porém, que habita nessa terra é poderoso, e as cidades, fortes e mui grandes; e também ali vimos os filhos de Anaque.” (Nm 13.27,28).

Foi então que Calebe se manisfestou falando “Subamos animosamente e possuamo-la em herança; porque, certamente, prevaleceremos contra ela.” (Nm 13.30). Neste momento, Calebe fala com a sua fé, a sua confiança no nosso grandioso Deus. Assim como os outros, ele havia observado como o povo que habitava nas terras de Canaã e as cidades em que eles habitavam eram fortes. Certamente, a olhos humanos, era impossível conquistar aquelas terras. Percebe-se isso claramente na resposta dos homens que com ele subiram - obviamente sem considerar Josué entre estes homens - “Não poderemos subir contra aquele povo, porque é mais forte do que nós.” (Nm 13.31). Mas na visão de Calebe, esta era uma conquista certa, pois sabia ele que Deus estava com o povo de Israel.

Assim devemos proceder diante das batalhas que nos deparamos no mundo. Por mais que o inimigo seja forte, que julguemos não termos chance alguma, temos sempre um Deus todo poderoso a nosso favor. Logicamente não falo somente de batalhas no sentido literal da palavra, falo, sobretudo, das batalhas contra os inimigos que nos ferem por dentro e ferem nossa relação com Deus. Batalhas contra tentações, contra as dificuldades do cotidiano, contra os problemas em casa, entre outras.
c. O povo se desespera e pensa em voltar ao Egito.
Após terem ouvido sobre a força do povo contra quem haveriam de batalhar, no povo de Israel nasce uma grande desesperança, como podemos ver em Nm 14.1-4: “Então, levantou-se toda a congregação, e alçaram a sua voz; e o povo chorou naquela mesma noite.

E todos os filhos de Israel murmuraram contra Moisés e contra Arão; e toda a congregação lhe disse: Ah! Se morrêramos na terra do Egito! Ou, ah, se morrêramos neste deserto! E por que nos traz o Senhor a esta terra, para cairmos à espada e para que nossas mulheres e nossas crianças sejam por presa? Não nos seria melhor voltarmos ao Egito? E diziam uns aos outros: Levantemos um capitão e voltemos ao Egito.”.

Foi então que Josué e Calebe tomaram uma atitude de revolta contra aquela incredulidade e tentaram lembrar ao povo de que Deus é fiel a nós quando somos fieis a Ele: “E Josué, filho de Num, e Calebe, filho de Jefoné, dos que espiaram a terra, rasgaram as suas vestes. E falaram a toda a congregação dos filhos de Israel, dizendo: A terra pelo meio da qual passamos a espiar é terra muito boa. Se o Senhor se agradar de nós, então, nos porá nesta terra e no-la dará, terra que mana leite e mel. Tão somente não sejais rebeldes contra o Senhor e não temais o povo desta terra , porquanto são eles nosso pão; retirou-se deles o seu amparo, e o Senhor é conosco; não os temais.” (Nm 14.6-9).

Neste ponto, Calebe e Josué mostram a todos nós o que precisamos fazer para merecermos as benção de Deus: primeiro, Ele deve se agradar de nós; segundo, nós não devemos temer ao inimigo, isto é, devemos confiar firmemente no nosso Senhor todo poderoso.

Podemos notar, ainda, que eles falaram sozinhos diante daquela multidão desacreditada e revoltada com seus líderes. Dentre os doze espias, somente eles dois estavam firmes com Deus. Assim podemos ver que mesmo em imensa minoria e colocando suas vidas em risco, eles continuaram lutando pelo que acreditavam, continuaram falando do Deus todo poderoso. Assim também devemos agir diante do mundo. No nosso cotidiano, muitas vezes nos encontramos em um meio onde a maioria não acredita naquilo em que acreditamos, mas mesmo assim devemos permanecer firmes e falando do nosso Deus sempre que tivermos oportunidade, sem medo de qualquer consequência ruim que isso possa ocasionar.

d. A recompensa de Deus a Calebe.
Com a grande incredulidade nascida entre os israelitas, Deus se revolta contra o povo, e fala a Moisés: “Até quando me provocará este povo? E até quando me não crerão por todos os sinais que fiz no meio deles?”(Nm 14.11). Deus então fala em ferir o povo. Neste momento, Moisés intercede e fala ao Senhor que fazendo aquilo todos achariam que Ele não seria capaz de colocar seu povo na terra que lhes havia prometido (Nm 14.13-16), e roga a Deus que perdoe a iniqüidade do povo (Nm 14.17-19).

Assim Deus perdoa-o, mas fala que de todos aqueles que “viram a minha glória e os meus sinais que fiz no Egito e no deserto” (Nm 14.22) somente Calebe e Josué entrariam em Canaã, pois foram os únicos que permaneceram fieis a Deus e confiantes nas suas promessas. Aos descendentes daqueles que saíram do Egito também seria concedida a benção de adentrar em Canaã.

Além disso, os outros dez que foram enviados como espias, morreram de praga perante o Senhor. E por causa de tudo o que aconteceu, o povo ficou mais quarenta anos no deserto, como vemos em Nm 14.34: “Segundo o número dos dias em que espiastes esta terra, quarenta dias, cada dia representando um ano, levarei sobre vós as vossas iniqüidades quarenta anos e conhecereis o meu afastamento.”.

Como Deus já tinha planos na vida de Josué - certamente já o havia escolhido como sucessor de Moisés e como aquele que guiaria o povo para dentro de Canaã - Ele fala somente sobre Calebe em algumas passagens, quando vai falar dos que entrariam na Terra Prometida. Então, podemos ver que, dentre todos os que haviam recebido Canaã como promessa de Deus, somente Calebe realmente a alcançou, visto que Josué haveria de receber uma missão toda especial. Assim podemos ver em Nm 14.24: “Porém o meu servo Calebe, porquanto nele houve outro espírito e perseverou em seguir-me, eu o levarei à terra em que entrou, e a sua semente a possuirá em herança.”. Com essas palavras Calebe recebe uma promessa de Deus, conquistada pela sua fidelidade

Pode-se observar nesta passagem, que somente aqueles que confiam em Deus incondicionalmente têm sua recompensa concedida. Todo o povo que se desacreditou, sobretudo aqueles dez que foram enviados como espias, foi castigado e perdeu o direito de entrar em Canaã, mas Calebe e Josué tiveram a promessa de Deus cumprida em suas vidas. Nós temos que permanecer sempre fiéis a Deus, para podermos entrar na Canaã celestial, como vemos em Ap 2.10, na parte final do versículo: “Sê fiel até a morte, e dar-te-ei a coroa da vida.”

III - A herança de Calebe

a. Deus fala como deveria ser feita a divisão.
Após ter conquistado várias terras além do Jordão, Josué, “já velho, entrado em dias” (Js 13.1), seguiu as orientações que o Senhor havia dado à Moisés acerca da divisão das terras. Assim disse Deus:

“Todavia, a terra se repartirá por sortes; segundo os nomes das tribos de seus pais, a herdarão. Segundo sair a sorte, se repartirá a herança deles entre os muitos e os poucos.” (Nm 26.55,56). Josué assim procedeu, e dividiu as terras por sortes.

b. Calebe lembra a Josué da promessa de Deus
Antes, porém, de Josué começar a divisão, Calebe vai falar com ele, a fim de lembrá-lo da promessa que recebera há 45 anos, dizendo: “Tu sabes a palavra que o Senhor falou a Moisés, homem de Deus, em Cades-Barnéia, por causa de mim e de ti. Da idade de quarenta anos era eu, quando Moisés, servo do Senhor, me enviou de Cades-Barnéia a espiar a terra; e eu lhe trouxe resposta, como sentia no meu coração. Mas meus irmãos que subiram comigo, fizeram derreter o coração do povo; eu, porém, perseverei em seguir o Senhor, meu Deus. Então, Moisés, naquele dia, jurou, dizendo: Certamente a terra que pisou o pé será tua e de teus filhos, em herança perpetuamente; pois perseveraste em seguir o Senhor, meu Deus.” (Js 14.6-9).

Disso podemos extrair os dois ensinamentos centrais desta lição. Passaram-se 45 anos e Calebe não havia esquecido da promessa de Deus em sua vida. Primeiro, muitos de nós temos promessas de Deus em nossas vidas, mas, como não acontecem no nosso tempo, e sim no tempo de Deus - como todas as coisas devem ser - nós acabamos nos esquecendo delas. Por vezes essas promessas podem demorar a chegar, mas devemos sempre nos lembrar que Deus tem grandes coisas para as nossas vidas, basta sermos fieis a Ele.

Segundo, Calebe nunca desistiu da sua promessa. Apesar de todo o tempo que passou, ele continuou acreditando que Deus cumpriria o que havia prometido, pois, como havia demonstrando anteriormente, acreditava incondicionalmente na fidelidade de Deus para com aqueles que O seguem e O agradam com suas ações.

Calebe não esqueceu que tinha uma promessa do Senhor, e continuou firme, acreditando que Ele a cumpriria. São dois estágios que se completam. Muitos perdem as bênçãos de Deus por achar que tudo deve acontecer em seu tempo, e não esperar Deus operar no tempo certo. Assim essas pessoas acabam esquecendo-se das promessas de Deus em suas vidas. Outros não se esquecem das promessas, mas, com o passar do tempo, passam a duvidar de Deus. Quantos atualmente esperariam 45 anos por uma benção? Assim podemos ler em Hb 6.11,12: “Mas desejamos que cada um de vós mostre o mesmo cuidado até o fim, para completa certeza da esperança; para que vos não façais negligentes, mas sejais imitadores dos que, pela fé e paciência, herdam as promessas.”.

Nós, servos fiéis ao Senhor, devemos sempre ter em mente que tudo o que queremos e precisamos, Deus proverá no tempo certo que é o tempo dEle. Como podemos encontrar em Pv 19.21 “Muitos propósitos há no coração do homem, mas o conselho do Senhor permanecerá.”, por mais que façamos planos, nossas vidas estarão sempre condicionadas ao tempo e à vontade de Deus.

c. Calebe pede a cidade de Hebrom

Após ter lembrado a Josué da promessa de Deus, Calebe indica qual cidade ele queria por herança: “Agora, pois, dá-me este monte de que o Senhor falou aquele dia; pois, naquele dia, tu ouviste que os anaquins estão ali, grandes e fortes cidades há ali; porventura, o Senhor será comigo, para os expelir, como o Senhor disse.” (Js 14.12). Primeiramente é importante observarmos que a divisão das terras seria feita por sortes, entre as tribos de Israel. Calebe, porém, recebeu uma herança independente de sua tribo, pois havia sido um servo fiel a Deus em toda a sua vida, conquistando assim o direito de pedir a terra que quisesse.

Assim também devemos ser! Se permanecermos nos caminhos do Senhor, vivendo conforme a Sua palavra e fazendo a Sua vontade, poderemos ser abençoados com aquilo que pedimos, esperando, logicamente, o tempo de Deus. Nossas orações são sempre ouvidas quando andamos corretamente, de forma a agradar nosso grandioso Deus. Mas temos que colocar sempre em primeiro lugar a Sua vontade.

É importante ver também que a terra a qual Calebe escolheu era ainda habitada, com um agravante, era habitada por gigantes, como vemos no livro Números, cruzando as informações dos versículos 22 e 33 do capítulo 13, são eles: “E subiram para a banda do Sul e vieram até Hebrom; e estavam ali Aimã, Sesai e Talmai, filhos de Anaque (Hebrom foi edificada ano antes de Zoã, no Egito).” (v. 22); “Também vimos ali gigantes, filhos de Anaque, descendentes dos gigantes; e éramos aos nossos olhos como gafanhotos e assim também éramos aos seus olhos.” (v. 33).

Calebe escolheu a terra que queria, sem se importar com quem se encontrava nela, pois confiava em Deus e na promessa de que Ele o ajudaria na conquista das terras além do Jordão. Calebe não teve medo de gigantes.

Assim também devemos agir quando nos depararmos com os gigantes do mundo. Se queremos algo e sabemos que é algo que agrada a Deus, Ele estará conosco. Ele não permitirá que gigante algum nos derrote, nos afaste dos nossos objetivos. Calebe queria aquelas terras como herança, e merecia-as, por isso não temeu, pois tinha Deus a seu favor. Devemos ter sempre a confiança que Davi demonstra no Salmo 27.1-3: “O Senhor é minha luz e a minha salvação; a quem temerei? O Senhor é a força da minha vida; de quem me recearei? Quando os malvados, meu adversários e meus inimigos, investiram contra mim, para comerem as minhas carnes, tropeçaram e caíram. Ainda que um exército me cercasse, o meu coração não temeria; ainda que a guerra se levantasse contra mim, nele confiaria.”.

d. Josué concede Hebrom a Calebe
Como Deus havia prometido a Calebe, ele recebeu a sua herança, através de Josué: “E Josué o abençoou e deu a Calebe, filho de Jefoné, Hebrom em herança.”. Assim ele conseguiu, enfim, aquilo que buscara e esperara por 45 anos. E ele conquistou tudo isso “porquanto perseverara em seguir o Senhor, Deus de Israel.” (Js 14.14).

Assim acontece na vida daqueles que seguem a Deus fielmente, por toda a sua vida; esperando com paciência, pelo tempo que for necessário, que a promessa de Deus seja cumprida. Assim também deve caminhar aquele que busca a maior promessa de Deus para todos nós, a promessa da vida eterna.

IV - Considerações finais
Neste estudo buscamos esmiuçar a trajetória de vida de Calebe, a fim de extrair as lições que ela pode trazer para as nossas vidas. Calebe foi sempre fiel a Deus, sempre confiou em suas promessas e teve fé e paciência para aguardar a hora certa de receber o que lhe havia sido prometido.
Todos nós deveríamos usar a vida de Calebe como modelo para as nossas, pois assim conseguiríamos conquistar a nossa herança na Canaã celestial. Amém!



UMA HERANÇA CONQUISTADA PELA FÉ.


Introdução: Os heróis da fé são aqueles que, por sua fé, obtêm bom testemunho. Significa que as suas ações são mencionadas, seus exemplos são citados, suas condutas são imitadas, seus feitos se tornam célebres, suas bravuras são reconhecidas. Siga avante com Deus e sempre fiel, Ele tem grandes conquistas para realizar em seu ministério, em sua vida profissional e familiar.
I –CINCO ESTRATÉGIAS REVELADAS PELO SENHOR PARA QUE SEU POVO CONQUISTASSE A TERRA PROMETIDA:
1. Confiança no Poder de Deus – Js 1:3 - O Senhor foi muito claro em sua promessa ao seu povo. O livro de Josué contém o registro de várias maravilhas operadas pelo Senhor em favor de Seu povo. Tais maravilhas nos inspiram a também confiarmos que Jesus é o Príncipe do Exército do Senhor Js 5:13 e 14 e que peleja por nós. Eis uma relação de maravilhas operadas pelo Senhor em Josué: as águas do Jordão se abriram Js 3:16, os muros de Jericó caíram Js 6:20, pedras dos céus caíram sobre os inimigos Js 10:11, o Sol e a Lua se detiveram por horas Js 10:12-15, um grande exército foi desbaratado pelo Senhor Js 11:4.
2. Obediência à Palavra – Js 1:8 - As primeiras instruções do Senhor a Josué são muito enfáticas. Antes da conquista de Jericó, quando Josué conduziu o povo a cumprir à risca a ordem de Deus de simplesmente marchar ao redor da cidade por sete dias, houve um encontro dele com o Senhor. Eis a preocupação de Josué: Que diz meu Senhor ao seu servo? Js 5:14. Em Js 11:15 temos o registro de que a obediência foi ingrediente para que o povo de Deus vencesse trinta e um reis de Canaã e seus exércitos.
3. Disposição para a luta – Js 1:6-9, 18 - Sem a atitude de coragem e disposição para lutar e tomar posse da terra as conquistas não se concretizariam. O livro de Josué contém relatos inspiradores de homens de coragem: Os valente e valorosos Js 10:7-10 e Calebe Js 14:11-12; 15:13-14
4. Santidade dos Líderes e do Povo – Js 3:15; 7:13 - A palavra que Deus deu aos Israelitas esclarece bem as conseqüências da falta de santidade para o povo de Deus. O Senhor deixou bem claro que não haveria vitória sem santidade! Em contrapartida, ao Seu povo santo Ele prometeu fazer maravilhas. Cuidemos em examinar nossa tenda e livrá-la daquilo que temos omitido Js 7:21.
5. Unidade do Povo de Deus – Js 10:25-43 - Aqui encontramos o testemunho de que a unidade foi fundamental à conquista de Canaã. No texto em tela, encontramos a promessa do Senhor de agir contra os inimigos de seu Povo, bem como temos o relato de que Josué e todo o Israel com ele se dedicaram à luta. Esta estratégia é enfatizada no Novo Testamento. Jesus ensinou acerca da necessidade de vivermos em união a fim de cumprirmos nossa vocação como Igreja João 13:34-35 e 17:11 e 21. A Igreja dos Apóstolos colocou em prática estes ensinos Atos 4:32-37. O apóstolo Paulo deu ênfase a este ensino em suas Epístolas Rm 12:16, II Co 2:10, Gl 5:14 e 15, Ef 4:1-16.
II - POR QUE CALEBE RECEBEU A BÊNÇÃO PROMETIDA POR DEUS.
1) ELE PERSEVEROU EM SEGUIR AO SENHOR. Js 14:8-9
2) (A) Calebe fazia tudo o que Deus mandava;
3) (B) acreditava naquilo que Deus falou;
4) (C) falava a linguagem que agradava a Deus;
5) (D) praticava o que Deus disse;
6) (E) não seguia a Deus de um modo desanimado; se o Senhor mandava parar, Calebe parava; se mandava avançar, avançava; ou seja, Calebe sempre seguia as instruções de Deus.
III- CALEBE POSSUÍA A FÉ QUE AGRADA ADEUS Nm 14:21-24
Ele cumpriu com fidelidade a sua missão como também se distinguiu diante de Deus pela sua firme fé no Senhor. Calebe tinha coragem e reconhecia que a chave do sucesso achava-se me ter fé na promessa de Deus. O espírito da fé é a fé que agrada a Deus, pois crê naquilo que Deus prometeu, mesmo em meio a todas as circunstâncias impossíveis. A fé que agrada a Deus não hesita e nem desiste. Aconteça o que acontecer, a fé é persistente Nm 14:6-10
IV- CALEBE SUBMETIA-SE À LIDERANÇA Js 14:6
Josué tornou-se o sucessor de Moisés e Calebe tornou-se um seguidor leal a Josué. Poderia ter reclamado de Deus, nos seguintes termos: “Senhor, eu também tenho fé! Também voltei com um relatório favorável! Por que não me escolheu?”. Podemos ter melhores qualificações do que o líder; sermos um orador melhor do que o líder; sermos mais fervorosos em oração do que o líder; termos melhor aparência do que o líder, MAS DEUS, POR RAZÕES QUE SÓ ELE CONHECE, ESCOLHE QUEM VAI LIDERAR E DEVEMOS NOS SUBMETER À ESCOLHA SOBERANA DE DEUS.
V TOMOU POSSE DA BÊNÇÃO PROMETIDA (Js 14:10-14)
Já havia se passado 45 anos desde que Deus havia prometido a bênção para Calebe; no momento de receber a bênção prometida, ele já estava com 85 anos. Mesmo assim, queria aquela terra que Deus havia prometido. Josué deve ter lembrado a Calebe: “A fortaleza dos gigantes ainda está lá; você naquela época tinha 40 anos de idade, mas hoje…”. Calebe não pediu um lugar fácil. As montanhas não são lugares fáceis para se plantar ou criar rebanhos. Porém, Calebe diz Js 14:12.
VI - A FÉ DE DAVI DIANTE DO GIGANTE GOLIAS I Sm 17:32-37.
Davi tinha convicção de que podia vencer Golias, baseado em suas experiências anteriores.
Do ponto de vista humano Golias era um inimigo imbatível. Mas Davi já havia enfrentado outros inimigos também imbatíveis, e tinha vencido, com a ajuda de Deus. Contra Golias não era sua primeira batalha. A fé se amadurece e se fortifica no Campo de Batalha. Davi tinha experiência com Deus!
Para um homem de fé não existe inimigo tão forte e tão grande que não possa cair, mas, Saul não era um homem de fé, por isto procurou desencorajar Davi, dizendo lhe _ “… contra este filisteu não poderás ir para pelejar com ele; pois tu ainda és moço, e ele, homem de guerra desde a sua mocidade”- A palavra de um derrotista! Infeliz é o moço que tem como líder um homem sem fé, como Saul.
Mas, Davi tinha experiência com Deus, adquirida não nos bancos de uma Universidade, porém, no Campo de Batalha, no “batalhar pela fé”
Então disse Davi a Saul: Teu servo apascentava as ovelhas de seu pai; e vinha um leão, ou um urso e tomava uma ovelha do rebanho, e eu saia após ele, e o feria, e a livrava da sua boca; e, levantando-se ele contra mim, lançava-lhe mão da barba, e o feria, e o matava. “Assim, feria o teu servo o leão como o urso; assim será este incircunciso filisteu como um deles; porquanto afrontou os exércitos do Deus vivo”.
Os homens sem fé viam um gigante; o homem de fé via, apenas, um “incircunciso filisteu”. A fé faz a diferença! Você é um homem de fé?
Davi era um homem de fé e tinha experiências com Deus. A fé precisa ser posta em ação – “Disse mais Davi: o Senhor me livrou da mão do leão e da do urso; ele me livrará da mão deste filisteu…”- I Samuel 17:33-37.
Quem não matar o leão e o urso, não matará, também, Golias. É no campo de batalha, é no confronto direto com os inimigos, é na realização da Obra de Deus que a fé cresce e se fortalece.
CONCLUSÃO:
Todos somos portadores dessa herança, dessa graça, dessa bênção de Deus. Em que consiste essa herança conquistada por Cristo para a humanidade inteira? É a graça I Pd 3,7, é a salvação Hb 1,14, é o Reino de Deus Mt 25,24, é a vida eterna ,Tt 3,7.

Nenhum comentário:

Postar um comentário